Busca

Paulinho Rahs

O Poeta Solitário

Tag

saudade

Eu já me convenci que nunca vou conseguir parar de te amar.

Sua nova foto de perfil é a mais linda dos últimos anos. Sim, essa que você postou essa semana. Como que eu vi? É óbvio que eu vi. Como tudo que você posta. Como qualquer coisa que você faz. Eu sei, você pediu pra eu sumir da sua vida. Eu desapareci pra você. Mas sigo aqui no meu eterno papel de fantasma.

Continuar lendo “Eu já me convenci que nunca vou conseguir parar de te amar.”

Ainda penso em você

Ainda penso em você. E sinceramente ainda acho que nós estamos destinados a acabarmos juntos. A conexão ainda é forte, o brilho é intenso e eu ainda te amo.

Continuar lendo “Ainda penso em você”

Existem coisas que nunca mudam. A saudade de você é uma delas

Existem coisas que nunca mudam, não importa o tempo que passe. Não importa a força que se faça ou a quantidade de vezes que se tente.

Existem coisas que são imóveis, pesadas demais para alguém mexer, fortes demais para que se remova da memória e que carregam consigo um turbilhão de emoções que se confundem. Continuar lendo “Existem coisas que nunca mudam. A saudade de você é uma delas”

Tô com saudade do que eu nunca fiz

Tô aqui me lembrando das coisas que eu nunca fiz. Pensando na nossa foto que eu nunca postei, no dia em que eu (só) pensei em te ligar e dizer que estava apaixonado por ti, no beijo que eu não te roubei quando teu olhar me pedia por isso. Ando assim, pensando muito. Enquanto vou largando essas palavras pra todo mundo ver, botei a tocar a música que nunca foi nossa. Faltou fazer muita coisa e a vontade de voltar e terminar o que faltou é nesse momento maior que a carga emocional que eu sou capaz de sustentar.

Continuar lendo “Tô com saudade do que eu nunca fiz”

Herança nativa

Livremente inspirada na canção Herança nativa

A manhã é fria. Enquanto minha mente fica inquieta, vou aquecendo minhas mãos com goles do meu chimarrão. Alguém me estende a cuia, tenta puxar um papo, mas estou voando muito longe daqui. Com meus olhos de quem viu um pouco de tudo nesse mundo, brilha no castanho da íris cores de saudade de onde me criei. Continuar lendo “Herança nativa”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑