Dedico essas palavras
para o amor que eu perdi.

Entre as dores que eu já senti,
pelos tombos que tomei,
pelas vezes que me cortei – ora sem intenção, ora com –
ter me perdido de ti
é o que mais me tira do tom.

Esses dias eu te vi
lá na fila do mercado
e foi aí que eu me dei por conta
que ainda estou apaixonado.
Tudo aquilo que eu sentia, voltou,
mesmo com todo esse tempo passado.
E eu me pergunto agora aqui:
– Será que eu vou estar sempre aprisionado?

Minha prisão são seus olhos.
As grades mais lindas que existem.
Não sou daqueles que insistem,
entendi que precisamos nos afastar.
Eu lembro que não acabou bem da outra vez
mas existe um botão pra desligar?

Desligar o sentimento.
Apagar de vez o amor
da memória, da lembrança,
tirar de mim essa dor?
Se você já me esqueceu
me empresta esse manual,
gostaria de ler também esse livro
pois vejo que pra você é normal.

No começo eu achava
que você fingia muito bem,
que diferente de mim
sentia mas escondia também.
Só que depois de tanto tempo
e mil encontros casuais
no banco, lá no barzinho
em dezenas de filas iguais,
na rua ou na padaria
teu olhar me passa uma fria
certeza de quem esqueceu.
Que bom que você seguiu em frente!
Mas sério que o amor morreu?

Olha, eu não sei disfarçar.
Cada vez que eu te vejo
meu coração volta a acelerar.
“Como teria sido?”
É só o que eu me pergunto.
A gente teria conseguido
ficar todo esse tempo juntos?
O que teria acontecido
com as outras pessoas da nossa vida?
A gente seria mais feliz
ou somos uma situação perdida?

Dói lembrar do que foi bom.
Machuca quando a mente faz assim:
colore as lembranças boas
e esconde o que foi ruim.
Tem vezes que até me pergunto:
– Se era tão bom, o que faltou?
Mas aí recobro o juízo
e me lembro como acabou.

Me lembro “como”
mas não sei dizer o “por quê”.
Afinal, nunca é só uma coisa
é uma soma que a gente não vê.
Todo dia acumula um pouco
e quando explode é coisa de louco,
acaba com tudo de vez.

E assim nós acabamos.
O tempo passou voando
e eu cheguei até aqui.
Após tudo que eu já experimentei
é certo que eu sempre irei
de vez em quando pensar em ti.
Enquanto eu viver nesse mundo
vou sempre lembrar, lá no fundo,
do amor que eu perdi.

Paulinho Rahs