Busca

Paulinho Rahs

O Poeta Solitário

Tag

tristeza

Ficar triste de vez em quando

Você não vai me ver feliz o tempo todo.
Mas talvez pense que eu também
quase não fico triste.
A verdade é que em mim existe
um pouco de cada um.
A melancolia é até mais comum,
a diferença é que eu escondo. Continuar lendo “Ficar triste de vez em quando”

O valor que as coisas têm

Havia um velho senhor lá na rua onde eu morava
que, cordial, dizia: – Buenas! – sempre que eu ali passava.
O velho era conhecido por muitos na região
por uma lenda que cercava seu nome e sua situação.

Notei que ele sempre se vestia de um jeito muito singelo:
no inverno um casaco surrado, no verão um simples chinelo.
A sua casa era antiga, uma cabana de madeira
e na varanda ele vivia lendo livros numa cadeira. Continuar lendo “O valor que as coisas têm”

Ninguém tem a vida tão perfeita quanto parece

Leia ao som de Same Size Feet

Na boa, a gente tá se perdendo. É sério. Isso me preocupa muito mais do que eu queria, pois é estúpido demais pensar que estamos ficando a cada dia mais tristes, depressivos, ansiosos e inquietos com ferramentas que deveriam tornar a nossa vida um mar de rosas.
É rede social demais para pouca firmeza psicológica.
É confusão mental demais para pouca verdade nas nossas auto-críticas. Continuar lendo “Ninguém tem a vida tão perfeita quanto parece”

Quando você voltar

Leia curtindo Slow Cheetah – Red Hot Chilli Peppers

A minha casa guarda um silêncio ensurdecedor. O quarto, que já foi pequeno, agora é imenso só pra mim. Minha cama parece ter léguas entre uma ponta e outra. Os espelhos eu evito, pois não quero nem ver o trapo que estou atualmente. Mal de ausência é dos piores que tem. Silencia, encolhe, alarga e deprime coisas que deveriam ser normais. Minha casa cheia de alegria, o quarto parecendo minúsculo, a cama bagunçada, meu sorriso nas selfies em frente ao espelho. Deixei tudo isso pra quando você voltar. Continuar lendo “Quando você voltar”

Tudo que eu daria para ter você de volta

Você pode ler ao som de Never Gonna Leave This Bed

Éramos nós dois. Apenas nós dois. Contra o mundo, contra todos, contra tudo. E poderia ter sido muito mais. Poderia ter sido se nossas escolhas fossem outras e se nossa intenção de subestimar o tempo e a vida não fosse tão tola. “Se” isso, “se” aquilo. Agora essa palavrinha de duas letras me atormenta diariamente quando penso na perfeição do seu rosto. Primeiro tudo desacelera, pois ainda sobrou um tanto de carinho e por alguns instantes eu sinto que você ainda vai entrar pela porta. Depois uma aflição gigantesca parece apertar meu estômago, meus pulmões e meu coração, como se tudo dentro de mim fosse explodir a qualquer momento. Continuar lendo “Tudo que eu daria para ter você de volta”

O pior de tudo

Se nesse exato momento, entre a fumaça de nossos cigarros, você me pedisse um conselho, eu certamente lhe diria: nunca, jamais, em hipótese alguma coloque alguém como sua prioridade. Só existe uma pessoa que deve estar acima de todas as outra: você mesmo. Continuar lendo “O pior de tudo”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑