Às vezes eu sinto
que eu não construí nada
nos últimos anos.
Por mais que eu me esforce,
por mais que eu tenha planos.
Olho ao redor e só consigo pensar:
será que eu estou
onde deveria estar?

Tento me convencer que sim.
O difícil é acreditar.
E se na vida profissional
é essa confusão,
na pessoal, então,
melhor nem falar.

E se eu largasse tudo hoje pra recomeçar…
Será que ia adiantar?
Perguntas e mais perguntas,
me sufocam, me apertam a garganta
e nada mais espanta
essa dor insistente.

E o que me resta
é seguir em frente.
Não, eu não vou desistir.
Vou cumprir o que prometi:
só parar quando chegar lá.
Mas foi bom desabafar.
Às vezes a gente só precisa
alguém para nos ouvir…

Paulinho Rahs