Busca

Paulinho Rahs

O Poeta Solitário

Tag

solidão

O valor que as coisas têm

Havia um velho senhor lá na rua onde eu morava
que, cordial, dizia: – Buenas! – sempre que eu ali passava.
O velho era conhecido por muitos na região
por uma lenda que cercava seu nome e sua situação.

Notei que ele sempre se vestia de um jeito muito singelo:
no inverno um casaco surrado, no verão um simples chinelo.
A sua casa era antiga, uma cabana de madeira
e na varanda ele vivia lendo livros numa cadeira. Continuar lendo “O valor que as coisas têm”

Anúncios

Os meus olhos sentem a falta dos seus

Leia ao som de Seus Olhos – Capital Inicial

Eu quis que o nosso mundo fosse um conto de fadas, amando o tempo todo, em todos os cantos da casa. Mas hoje eu aprendi que isso não existe. Já faz tanto tempo que você partiu e eu fiquei aqui, lambendo as feridas, como um cão abandonado na esperança fútil de que a dona “foi ali e já volta”. Agora eu tô sabendo que você não vem mais, que você até anda dançando em outro ritmo, em outros braços, com outros abraços. Ele realmente vai te amar como eu te amei um dia? Você trocou quem trocaria tudo por você. Eu queria ter forças para dar o troco, mas não sou mais que um par de moedas velhas e enferrujadas que não têm valia nenhuma.  Continuar lendo “Os meus olhos sentem a falta dos seus”

Quando você voltar

Leia curtindo Slow Cheetah – Red Hot Chilli Peppers

A minha casa guarda um silêncio ensurdecedor. O quarto, que já foi pequeno, agora é imenso só pra mim. Minha cama parece ter léguas entre uma ponta e outra. Os espelhos eu evito, pois não quero nem ver o trapo que estou atualmente. Mal de ausência é dos piores que tem. Silencia, encolhe, alarga e deprime coisas que deveriam ser normais. Minha casa cheia de alegria, o quarto parecendo minúsculo, a cama bagunçada, meu sorriso nas selfies em frente ao espelho. Deixei tudo isso pra quando você voltar. Continuar lendo “Quando você voltar”

Amigo da solidão

Prazer, sou amigo da solidão. Em meio a tanta gente que morre de medo dessa senhora, em meio a tanta coisa ruim atribuída a ela, que teve seu nome associado a depressão, ansiedade, agonia e saudade, me encontro aqui acompanhado apenas dela. Fui na contramão da aversão que todos sentem quando ela aparece e passei a entendê-la. Você raramente vai encontrar-se com ela em meio a multidões, embora isso seja possível. Ela costuma estar me esperando bem no meio da noite, quando todos já estão dormindo e ainda é muito cedo para acordar. Nas janelas dos prédios poucas luzes acesas, as que estão é por que foram esquecidas. Falando em esquecimento, foi quando eu me sentia jogado e esquecido aqui que ela apareceu. Continuar lendo “Amigo da solidão”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑