Mal a semana começou
e eu já tô com bateria no final.
Uma recarga no domingo não adiantou
e agora eu não trouxe o carregador.

Esqueci ele por aí
mas a real é que a minha bateria já tá viciada.
Como um telefone velho, quase telefone fixo,
parece que só funciono se tiver ligado na tomada.

Essa falta de energia é perigosa.
Às vezes acho que tenho mais é que levar choque.
A vida anda cada vez mais corrida
e a gente dança conforme o toque.

Aqui, início de semana e fim de energia.
Mas chega, preciso encontrar uma saída.
Tá na hora de trocar as minhas pilhas.
Tá na hora de gostar de verdade da minha vida.
Não só a vida da sexta e do sábado,
a vida da terça, da quarta e da quinta.
Me dei por conta que não gostar de segunda
é um baita de um defeito
e não vai ter outro jeito:
quem vive assim, logo afunda.

Paulinho Rahs