Que você tenha sempre motivos para sorrir. Independente de quão profundas sejam as tristezas, de quão altas forem as quedas ou da dimensão das derrotas. Que quando o choque daquilo que é ruim passar, você consiga colocar a vida na balança. E mesmo triste, caído ou derrotado, que você possa sorrir.

Que os erros sejam sempre o meio das suas jornadas, nunca o final. Erre você muito ou pouco. Ou que sejam esses erros graves ou leves, primeiros erros ou erros repetidos. Tanto faz, de verdade. Apenas aceite os erros como parte do caminho, processo de aprendizado. Nunca deixe um erro te fazer desistir de tudo que você acredita ser certo.

Que a gente possa aprender a ouvir a crítica sem rebater e o elogio sem se deslumbrar. Que a gente saiba ver as conquistas sem sentir inveja e os equívocos alheios sem querer se meter. Que tenhamos sempre o tato de discernir que cada um tem a sua vida e, se agiríamos diferente dos outros, que façamos isso na nossa própria.

Desejo a você muito mais. Em todos os sentidos. Desejo, acima de tudo, que a vida não seja vazia. Que o tempo continue passando rápido, mas que a gente sempre possa olhar para trás com a certeza de que não apenas “passamos” o tempo. Desejo que o tempo passe e a gente tenha vivido. Correndo, perdendo, ganhando, aprendendo. Vivendo. De verdade.

Paulinho Rahs