Eu gostaria de encontrar a criança que eu fui um dia e perguntar para ela o que acha de mim. Eu sou o adulto que ela gostaria de ser ou nem perto disso? Sou o tio “descolado” ou aquele que ela passava longe? No fundo, eu sei a resposta. Pois em algum lugar aqui dentro ela ainda vive.