Sonhei com você mais uma vez. Pelas minhas contas, com essa já são… Ah, sei lá. Parei de contar depois da milésima. Parei de contar desde que eu fiquei com medo de dormir e ter que te encarar no instante em que eu caísse no sono.

Cada vez que eu sonho com você, é impossível não me perguntar se o sonho é um sinal divino de que a gente deveria ficar juntos ou é apenas meu subconsciente se manifestando aos gritos de que eu passo tempo demais da minha vida pensando em nós dois.

Eu penso mesmo é como será que teria sido se a gente tivesse ficado juntos. A vida seria melhor ou pior? Nós seríamos realmente felizes? Ou fomos feitos mesmo pra não durar. Queria que existisse um botãozinho pra apertar e visualizar um cenário onde acabássemos juntos.

Pode ser que a gente tenha mesmo diferenças irreconciliáveis. Mas será mesmo que não existe um jeitinho pra tudo? Sabe, um cede daqui, o outro cede de lá e vamos levando da maneira que dá. Ainda acho que pra nós faltou mais um pouco de tentativa.

Eu sei, dizem que quando o amor é de verdade a coisa bate e tudo se encaixa. Pra mim isso é coisa de filme de romance. Na vida real é preciso ajuste. Sintonia fina se encontra após mexer um pouco na configuração. O problema é que acabou a pilha do nosso controle remoto.

Enfim, esses pensamentos soltos viviam me atormentando. Quando eu me dava por conta, estava pensando em uma tramóia pra te conquistar de volta. De repente, alguma coisa mudou. Descobri que eu não sinto falta de você, mas sim de uma versão sua que a minha cabeça inventou.

Hoje pela manhã acordei depois de sonhar contigo pela enésima vez. Eu ainda penso em você, a novidade é que eu parei de te querer.

Paulinho Rahs