Ela ainda não sabe o crime que cometeu, mas está encarcerada. A cela é fria e úmida. A comida é escassa e as visitas, cada vez mais raras. Seu grito ecoa num ambiente que não acolhe dores. Ela gasta o tempo que tem a pensar em tudo que a fez chegar até ali e planeja, minuciosamente, os próximos passos dentro daquele pequeno tártaro. Todos os dias a rotina se repete. Ela alimenta a história, cuida de cada detalhe para nenhum deles ser esquecido. Insano dizer, mas ela parece saborear cada dor, cada mágoa e todas as palavras frias, proferidas numa manhã de domingo, entre um gole de café e um baque de porta.

Ela faz questão de recordar e remoer todas as nuances que a memória conseguiu preservar, tudo isso é uma forma de dar tons e cores sombrias para a vendeta desejada. Existem detalhes que se perdem com o tempo, mas estes ela sobrepõe com sentimentos que ganham força a cada dia. Cada hora de sono perdida é um motivo a mais para odiar e fazer com que o guarda passe em frente a cela e venha lhe dizer mais uma vez:

– Eu te avisei.

Conforme o tempo passa ela se vê mais próxima daquele guarda que cuida com zelo de sua cela fria. Ele se chama ‘rancor’ e a vontade de abraçá-lo lhe cobre por completo.

Cansa estar rodeada de todas aquelas grades, ela já não vê mais o sol nascer e o guarda “rancor” não a deixa sair. Ela já pediu e implorou por misericórdia, mas ele é implacável. A desistência a coloca numa posição ainda mais fria e ela, aos poucos, morre pra vida.

É irônico pensar, mas ela quem alimenta o próprio Guarda que a aprisiona. Quanto mais presa fica nesse sentimento de mágoa, rancor e vingança, mais se tranca dentro da prisão que ela mesmo construiu. Sente vontade de se libertar das amarras do sentimento, mas só consegue criar histórias traiçoeiras para ferir cada uma das almas que lhe feriu. Ela culpa as pessoas pela prisão em que se encontra, sem nem se dar conta que é ela quem se mantém presa.

Dessa forma, pouco a pouco, vai sendo consumida por essas coisas que a gente sente e não se policia por sentir. Coisas que se tornam normais, porém são tóxicas, sufocantes e a transformam de uma maneira ruim. Uma existência que poderia ser bela, mas que vira uma cadeia fria, suja e sem cor. Uma prisão feita de rancor onde ela é júri, juiz e executor. Condenada e aprisionada, sem interesse algum em lutar pela própria causa.

 

Paulinho Rahs ft. Monika Jordão e Mafê Probst

Postado originalmente no Jornalismo de Boteco

Anúncios