Que cada oportunidade perdida
seja um ponto na sua vida
em que algo você aprendeu.

Mesmo que o aprendizado
não seja nada além do que você
só se dar por conta de que simplesmente perdeu.

Sim, por que nem tudo precisa ter uma lição.
Até por que a verdade é que nem tudo tem.
Perder é uma lição por si só, isso é importante entender.
Se a derrota não veio com um significado,
signifique ela com a dor.

A dor sim, ensina sempre.
Anda de mãos dadas com a paciência.
Uma virtude, uma competência
que é difícil de encontrar.
Paciência pra planejar. Pra tentar, errar,
pra então tentar outra vez.

Eu confesso pra vocês
nunca tive muita paciência.
Mas ela que me ensinou
a usar melhor a inteligência.

É que o esperto afobado
cai por ter tropeçado
nas pedrinhas mais pequenas
e que ele teria a capacidade
de ter desviado.
Enxerga o problema?

Não sei você, mas eu fui campeão.
Em cair, me arrebentar no chão,
por tropeçar nas pedras miúdas.
Orgulhoso, nunca quis pedir ajuda.
Apressado, nunca quis entender
que tudo na vida tem seu tempo
e vai ter a hora e o momento exato
pra chegar aonde se quer.

Quem quer ganhar muito
tem que perder bastante.
Quem quer ser vencedor
vai apanhar sempre que se tornar arrogante
com o seu próprio talento,
com as pequenas vitórias
ou somente por enxergar
que pode ter um futuro de glória.

O que adianta vislumbrar o futuro
se ele não existe ainda?
Você só tem o presente.
Que é um reflexo de um passado
e da sintonia da sua mente.

O que você já fez?
O que você já conquistou?
Você já chegou aonde queria?
Acho que ainda não chegou.

Então, volta ao trabalho.
Arregaça as mangas e pau na máquina.
Ninguém gosta da vítima
e nem quer ouvir as tuas histórinhas
de chances que deixou passar
ou de vitórias que ainda
nem chegou a conquistar.

Deixa a tua história ser contada por ela mesma.
Deixa que teus resultados
vão falar o que você quer.
Engole a arrogância.
Se for usar uma fragrância
tenta uma doce humildade.
O silêncio é incrivelmente
uma ensurdecedora qualidade.

E voltando lá pro início,
vê se salta fora desse vício
de viver contando
oportunidades perdidas.

Use a derrota como saída.
A dor como professora.
E a paciência… Bom, a essa
você se refere como ‘doutora’.
A médica de todas as horas
que cura todos os males.
Que sabe dos remédios
e medicinas dos lugares.
Recorra a ela sempre.
Consulte sem moderação.

No mais, boa sorte no caminho
e confie no seu coração.

Paulinho Rahs