Eu não quero me tornar um deles.
Eu quero ser um dos meus.
Ser do jeito que eu quiser,
ser da melhor forma que eu puder.
Pautar a minha existência
no melhor que eu posso ser
e não numa competição de querer
ser melhor do que eles são.

Eu quero, somente, competir comigo.
Me tornar o meu melhor amigo,
me amar como amo os outros.
Me dar conselhos, puxões de orelha,
fazer o que me der na telha
mesmo que isso seja a contramão
do restante do mundo.

Pois eu sei que, no fundo,
nem sempre a maioria tá certa.
Nem sempre a pessoa que pensa que é mais esperta
toma a melhor atitude.
Entre aparência e virtude,
você sabe o que eu prefiro.
E viver baseado nela
é sobre o que me refiro.

Paulinho Rahs