Eu sempre imaginei que um dia
o mundo enxergaria
que estava ao contrário.
Mas o ser humano frio e solitário
jamais pensaria
que em 2020 uma pandemia
lhe obrigaria
a ser mais solidário.

Há um ano a gente viajava,
vivia a vida com normalidade.
Um ano? Nem precisa tanto.
Há seis meses… Que saudade!
Saudade de não usar máscara
e ver uma fila na frente do super mercado.
Saudade de abraçar os amigos,
ir num bar, ficar meio alterado.
Saudade de dizer
– Que vontade!
de passar uns dias em casa
sem fazer nada.

Saudade até de balada,
e isso que eu nem ia.
Saudade do futebol,
do cinema, de ter companhia.
Saudade de nem usar no meu vocabulário
palavras como aglomeração, vírus e pandemia.
Mas sabe que tem lado bom?
Acredite, tem.
As lives do bem, as doações,
o uso das redes sociais
em prol de quem precisa mais.

Um vírus saindo lá da China
foi preciso para quebrar nossa rotina,
fazer até o maior dos empresários
ser forçado a parar com o trabalho.
É terrível isso tudo? Com certeza,
se avizinha aí uma crise mundial.
Mas vamos acreditar que no final
todo mundo se recupera.
E após isso ter passado
vamos viver uma primavera,
no sentido de saber
que quando é necessário,
o ser humano frio e solitário,
sabe muito bem
como é ser solidário.

Paulinho Rahs