Eu sei, a expectativa é grande
comigo também é assim.
Parece que nunca chega,
parece que não tem fim,
tem horas que eu acho que vou me afogar,
que isso tudo vai me sufocar.
Tô sempre nadando num mar de ansiedade
cheio de violentas ondas de saudade,
pra completar uma chuva de auto-sabotagem
e a minha mente navega nesse cenário
em um barquinho feito de papel
sem ter onde atracar, ao léu.
É puro desespero e eu rezo só que ligeiro
alguma solução caia do céu.

A noite, então, é pior.
Me deito e tento dormir
mas o roteiro eu já sei de cor.
Rolo de um lado pro outro,
suo frio e suspiro fundo.
O quarto se torna um mundo
frio, escuro e tenebroso.
E eu fico cada vez mais ansioso,
fraco demais pra me levantar
não consigo pensar em mais nada,
pois sei que vagar pela casa
não vai me livrar da solidão da madrugada.

Ansiedade é doença!
Ansiedade é frescura!
Ansiedade tem ou não tem cura?
Chega! Todo mundo diz uma coisa.
Todo mundo tem uma opinião
sobre o que eu to sentindo.
Mas parece que o meu coração
não tem ninguém ouvindo.
Não tô atrás de conselho,
remédio ou leite com mel.
Tô tentando entrar num estado
em que eu pare de ser juiz e réu.
Tô tentando não me sentir culpado
por tudo que acontece ao meu redor.
Tô tentando ser alguém melhor,
inteiro e não pela metade.
Eu só queria me livrar
dessa tal de ansiedade.

Paulinho Rahs