Busca

Paulinho Rahs

O Poeta Solitário

Gratidão a quem me ama

Para ler ao som de Gratidão.

Conheço poucas pessoas tão controversas quanto eu. Conheço muitas que queriam ter as oportunidades que eu tenho. Desconheço qualquer uma que tenha tantas chances de recomeços como a pessoa que vejo no espelho. Depois de todo esse tempo, eu continuo de pé. Agora, como diz a canção, me voltou a fé. Eu andei completamente perdido. Fiz burradas que tempos atrás eu jamais imaginei que seria capaz. Ações que nunca pensei sequer ter a coragem de executar. Errar sem um pingo de misericórdia, desconstruir completamente a imagem que quis tanto ter. Continuar lendo “Gratidão a quem me ama”

Anúncios

Eu sou uma bomba relógio

Para ler ao som de In The End.

Eu sou uma bomba relógio. Sou um risco para aqueles que vivem perto de mim. Sempre vai haver uma nova explosão que vai deixar todo mundo em pedaços. Eu sairia de perto de mim se pudesse e não consigo entender a razão daqueles que o podem fazer, não fazerem. Deve ser porque me amam. Eu também amo cada uma das pessoas que mesmo sabendo que eu estou sempre prestes a machucar todos, não arredam o pé da minha vida. Queria poder retribuí-los da mesma forma. Eu deveria, para isso, fazer dez vezes mais esforço por essas pessoas, pois realmente eu imagino o quanto é difícil me aturar, me amar, cuidar de mim, não desistir quando essa é a escolha natural. Eu tenho muita admiração pelas pessoas que ficam comigo. Meus amigos, amores e familiares tem uma missão quase impossível quando se trata de mim. Sinceramente eu queria ser diferente, do fundo do coração isso é o que eu mais vou tentar, mas será que eu tenho jeito? Continuar lendo “Eu sou uma bomba relógio”

Eu e você merecemos acontecer

Melhor ao som de Whistle

Abram-se as portas para a gente começar. Abre a porta da tua casa, a do teu peito, a dos teus lábios. Eu aposto o que você quiser que quem brinca com fogo sai queimado e ninguém mandou você entrar nessa. Mas já que eu estou aqui, deixa que a casa caia. Vamos viver novas histórias e fantasias, inventar novas expressões e novas gírias. Quem não tem o interesse mais genuíno em começar algo novo como o que a gente está prestes a começar? Deixa que o futuro fica pra depois. Agora é o agora. É o momento que vai passar num piscar de olhos. Eu duvido que perder tempo está sua lista de coisas a fazer antes de morrer. Isso é logo, logo. Logo ali na frente. Não há tempo a se perder e todo minuto é precioso. É agora ou nunca. Continuar lendo “Eu e você merecemos acontecer”

Tudo que eu daria para ter você de volta

Você pode ler ao som de Never Gonna Leave This Bed

Éramos nós dois. Apenas nós dois. Contra o mundo, contra todos, contra tudo. E poderia ter sido muito mais. Poderia ter sido se nossas escolhas fossem outras e se nossa intenção de subestimar o tempo e a vida não fosse tão tola. “Se” isso, “se” aquilo. Agora essa palavrinha de duas letras me atormenta diariamente quando penso na perfeição do seu rosto. Primeiro tudo desacelera, pois ainda sobrou um tanto de carinho e por alguns instantes eu sinto que você ainda vai entrar pela porta. Depois uma aflição gigantesca parece apertar meu estômago, meus pulmões e meu coração, como se tudo dentro de mim fosse explodir a qualquer momento. Continuar lendo “Tudo que eu daria para ter você de volta”

Fim após fim, o recomeço

Leia ao som de End Over End

No santuário dentro de mim, mil velas jazem acessas, queimando-se pouco a pouco. Ajoelhado em frente a isso tudo, estou eu. Rezando pelo meu futuro, fazendo um pedido mas não em voz alta. Pela minha mente cruzam todos os momentos que vivi até aqui e sigo colocando na balança o que me fez resolver chegar ao fim mais uma vez. O fim e o começo. A morte e o nascimento. Uma coisa depende da outra. Não há um sem que haja o seguinte. E eu que há muito vinha me segurando nas paredes deste poço fundo em que comecei a cair, talvez tenha finalmente visto que seja a hora de um começo inteiramente diferente. Continuar lendo “Fim após fim, o recomeço”

Minha jaqueta e o sinal

Você pode ler ao som de This Love

Ela pediu minha jaqueta. Isso só podia ser um sinal né? Eu não enxerguei. Era um dia frio, desses com um solzinho para disfarçar o inverno. A gente na rua, no meio do desfile e ela queria usar a minha jaqueta de couro preta, aquela confirmada que eu nunca passei mais que dois dias sem vestir. Eu não pensei duas vezes antes e lhe entreguei. Mas será mesmo que era um sinal? Continuar lendo “Minha jaqueta e o sinal”

Nosso tempo está acabando (Paradoxo)

Você pode ler ao som de Time Is Running Out
Me sinto quebrado, me afogando, sendo asfixiado e puxado ao subsolo. Não existe bloqueio em rede social que consiga desconectar minha mente de você. Já se passaram anos e anos e ainda estou na mesma. Me ensine como você me esqueceu. Eu tô tentando mas acho que eu não sou capaz de fazer algo assim. É um paradoxo eu pensar em você mais do que em mim. Eu quero apenas conseguir quebrar esse feitiço que você criou.

Continuar lendo “Nosso tempo está acabando (Paradoxo)”

Carta aos namorados (Gerenciando o 12 de Junho)

O dia é daqueles apaixonados. Pertence a todos que entregaram para outra pessoa sua íntima e única chave que não tem cópia. Abriram o cofre e romperam a fechadura; tiraram seu coração e entregaram a sua guarda para outro tutor. Não interessa se demorou ou foi rápido demais, se foi fácil ou complicado, se era pra ser desde o começo ou foi moldado apesar das conspirações contra. Se hoje você teve o prazer de ter alguém para mandar a primeira mensagem do dia com flores e coraçãozinho, você é dono deste dia. Divide a companhia com outro sócio igualitário. 12 de Junho é a sua empresa e erros não são aceitos.

Continuar lendo “Carta aos namorados (Gerenciando o 12 de Junho)”

É preciso saber ignorar

A única maneira de se conseguir viver em paz, de ser amigo da felicidade, de não deixar a chama do amor apagar e tampouco desaquecer é ignorando certas coisas. Se fazer de desentendido nem sempre é fácil. Às vezes a burrice alheia irrita, agride nossa vontade de mostrar que os outros estão errados, nos agonia para apontar aquilo que consideramos certo. A ignorância é uma benção, me disseram uma vez. Eis que eles estavam realmente certos. Em certas situações a gente se dá por conta que está enxergando além dos outros. Em outras a gente não se dá, pois simplesmente quem usa a viseira da falta de senso não vai se dar conta nunca. Quem está coberto com a nuvem espessa do desconhecimento da realidade tende a ver defeito em todos, exceto em si e suas próprias atitudes. Continuar lendo “É preciso saber ignorar”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑