11012430_758884527542472_2861515923329408917_n

Paulinho Rahs é escritor e músico. Seu álbum “Realidade Paralela” (2019) foi destaque em uma matéria da Revista EXAME. Gravou nos Estados Unidos e em Portugal os clipes de Desvio no Olhar e Evolução, respectivamente.
Paulinho lançou em 2018 seu primeiro livro: “Crônicas Que o Tempo Jamais Apagou”. Em paralelo a este projeto vem também seu primeiro EP solo: “Canções Que o Tempo Jamais Apagou”, disponível no Spotify, Youtube e demais plataformas. O EP teve os clipes das canções Descuidado e Junho 22 transmitidos no cenário nacional nos programas TVZ (Multishow), Setlist (BIS) e Babilônia (Music Box Brazil).
Seu pop rock é influenciado por bandas como Engenheiros Do Hawaii, Nenhum De Nós e Legião Urbana. Antes da carreira solo, foi vocalista da Banda Arcadia, escolhida como banda de abertura de shows do Capital Inicial no Rio Grande do Sul. O lançamento do álbum Influência foi feito em show junto com a Vera Loca.

Paulinho já escreveu para diversos sites como: Entenda os HomensO Segredo, Crônicas de Uma Mente Qualquer e o Portal Gramado News. Além disso foi vocalista na banda de rock Arcadia, criador do blog Jornalismo de Boteco e foi colaborador em outros grandes projetos como: Cenas Lamentáveis e Literatura Amarga.

Desde muito novo flerta com a arte e as formas de se expressar através dela. Filho de artista, nasceu e cresceu na inspiradora Gramado/RS, começando a escrever suas primeiras crônicas e canções aos nove anos de idade, chegou também a cursar a faculdade Jornalismo.

Define-se como Poeta Solitário em homenagem a alguns de seus ídolos. Uma fusão dos nomes ‘Trovador Solitário’, usado por Renato Russo, e ‘Poeta Sonhador’, usado por seu pai no início da carreira. Subversivo, magnânimo e entusiasta, Paulinho Rahs é apenas mais um sonhador, apaixonado pela vida e com vontade de mudar o mundo – mesmo que seja minimamente.

Neste blog você encontrará crônicas, poesias, canções e, principalmente: um trabalho artístico executado com o maior amor possível.

“O amor é a única revolução verdadeira.” (Oração do Horizonte – Detonautas)