Se você estiver na dúvida
sobre o que deve ou não fazer,
a pergunta que pode ajudar é:
será que eu vou me arrepender?

Mas faça essa pergunta direito:
Não é o não se arrepender de fazer
e sim de não ter feito.

Porque quem se arrepende do que faz
no mínimo aprende com o erro.
Mas quem se arrepende do que deixou de fazer
vai carregar a dúvida até o próprio enterro.

Eu sei, estar em um dilema é fogo.
E fazer as coisas que trazem consequências
é quase levar a própria vida como um jogo.

Honestamente, eu prefiro.
A coragem de lançar os dados e tentar a sorte.
Mil vezes quebrar a cara
do que viver sem riscos até a morte.

Sempre que eu me pego
entre o arriscar e o ficar seguro.
Prefiro me atirar na incerteza
que já saber de cor o que tem pro futuro.

Você tem a coragem
de jogar tudo pro alto?
Mesmo que isso signifique, às vezes,
cair de cara no asfalto?

Quando eu penso nessas coisas
lembro das oportunidades perdidas.
Lembro que mesmo vivendo só uma vez
eu poderia ter vivido várias vidas.

Conhecer pessoas e lugares,
navegar por outros mares,
ter chegado muito mais longe.

Acredito que ter saído pelo mundo
e não ter tido medo de pisar fundo
me dariam a serenidade de um monge.

Hoje, sou tudo menos sereno.
É como se eu tivesse tomado um veneno
que no fim me paralisou.

Talvez eu faça algo agora
pra no futuro lembrar dessa hora
como o dia em que a minha vida mudou.

Até quando é cedo pra começar?
E quando será que é tarde para voltar
e reiniciar o caminho?

Hoje eu vejo que a minha carência
me deixou sempre na dependência
de não conseguir me virar sozinho.

E aí, sempre precisei de alguém.
Senti a necessidade de levar alguma pessoa do lado.
Hoje o que eu mais me pergunto é:
Sem outra bagagem junto
até onde eu teria chegado?

Me entenda, não que seja ruim
ter outra pessoa contigo.
Na verdade é essencial
um companheiro, um amigo.

O problema é quando isso
não se trata de amor.
É quando você leva alguém
somente pra aliviar o temor.

Nesse caso, estar mal resolvido
é simplesmente só ver sentido
se alguém validar a sua caminhada.

Por essas e outras eu me vejo
agora com esse desejo
de percorrer sozinho a estrada.

De cara com uma encruzilhada
precisando escolher um lado.
Essa é a minha vida hoje:
indeciso e amedrontado.

Se eu for pra lá
perco o que tenho aqui.
Se eu virar pra cá
perco a chance de descobrir.

O que você faria
se estivesse no meu lugar?
O que você faz na vida
quando não sabe que caminho tomar?

Mais que isso, quero saber:
O que você costuma fazer
quando tem esse tipo de problema?

Mais que isso, quero entender:
Como a gente faz pra viver
quando está de frente a um dilema?

Paulinho Rahs