Leia ao som de Vegas Lights

Menina, você tá me deixando “de cara”. Eu sempre gostei de adrenalina, mas fazia tempo que não me sentia assim. O nosso papo tem química, as nossas ideias combinam e, o pior, é que as nossas intenções batem. E se for pra bater, eu quero colidir de frente. Curvas perigosas, acidente de percurso. Se a gente se pechar mesmo, já era.

Morena, como foi que essa faísca foi acender? Eu juro que não era a minha intenção. Tipo, eu até estaria disposto – é óbvio. Mas não imaginei que você fosse estar afim. Pelo visto, você também quer. Então, pelas minhas contas: 1 + 1 soma 2. Acho que a gente se multiplica facinho. Meu negócio com você vai ser pegar um tempo e dividir.

Nossa brincadeira traz aquele perigo que dá até um gostinho de viver. É indiretinha de boa noite, é mensagenzinha dando bom dia. É foto aqui, áudio ali. E quando eu vi, passamos o dia de papinho um com o outro. Certo não é, eu sei que você sabe. Só que tem erros que a gente erra com gosto. Tô bem afim de errar contigo.

Então, menina, vamos combinar uma coisa: você tá dirigindo nessa estrada numa velocidade alta. Dá tempo de desistir. Diminui, pega a próxima saída e a gente deixa quieto. Agora, se você realmente quiser ir até o final e ver o que te espera, eu é que não vou dizer que não. Falar que não pra você vai contra o meu desejo. Então, azar.

Azar de quem não se permite viver histórias que aceleram o coração, gelam espinha e dão aquela ansiedade boa. Nós somos dois jogadores e eu não entro em jogo para perder. E nem mesmo para apostar pouco. Eu vou de “all-in”, aposto tudo mesmo. E com você, aceito um empate. Só não pode ser zero a zero.

Hora de mostrar as cartas. Seja de manhã tomando um café ou a tardinha tomando um drink. Nós dois temos os elementos que quando misturados geram uma explosão tremenda. Química, vontade de fazer, coragem pra agir e a loucura de gostar do risco. Então, a gente guarda esse segredo entre nós. Mistura tudo e deixa explodir. Brincar com fogo me parece bem legal.

Minha jogada foi feita. Minhas cartas estão na mesa. Se você quiser jogar comigo, as regras são muito simples: a gente vai quebrar as regras. Pro mundo a gente não fala nada. Entre nós a gente mostra tudo. E faz tudo. E faz logo. Já recebi os teus sinais. Agora, tô só pela tua confirmação: você quer jogar comigo?

Paulinho Rahs