Busca

Paulinho Rahs

O Poeta Solitário

mês

agosto 2017

Os meus olhos sentem a falta dos seus

Leia ao som de Seus Olhos – Capital Inicial

Eu quis que o nosso mundo fosse um conto de fadas, amando o tempo todo, em todos os cantos da casa. Mas hoje eu aprendi que isso não existe. Já faz tanto tempo que você partiu e eu fiquei aqui, lambendo as feridas, como um cão abandonado na esperança fútil de que a dona “foi ali e já volta”. Agora eu tô sabendo que você não vem mais, que você até anda dançando em outro ritmo, em outros braços, com outros abraços. Ele realmente vai te amar como eu te amei um dia? Você trocou quem trocaria tudo por você. Eu queria ter forças para dar o troco, mas não sou mais que um par de moedas velhas e enferrujadas que não têm valia nenhuma.  Continuar lendo “Os meus olhos sentem a falta dos seus”

Anúncios

Quando você voltar

Leia curtindo Slow Cheetah – Red Hot Chilli Peppers

A minha casa guarda um silêncio ensurdecedor. O quarto, que já foi pequeno, agora é imenso só pra mim. Minha cama parece ter léguas entre uma ponta e outra. Os espelhos eu evito, pois não quero nem ver o trapo que estou atualmente. Mal de ausência é dos piores que tem. Silencia, encolhe, alarga e deprime coisas que deveriam ser normais. Minha casa cheia de alegria, o quarto parecendo minúsculo, a cama bagunçada, meu sorriso nas selfies em frente ao espelho. Deixei tudo isso pra quando você voltar. Continuar lendo “Quando você voltar”

Por que os segundos não são todos iguais

Foram nove meses para nascer. Cerca de uma década para o sexo oposto começar a ser mais interessante que carrinhos e bonecas. Mais uns anos para o primeiro beijo, mais uns meses para o primeiro amor. Tudo na vida é sobre o tempo e o cretino não para nem para evitar com que façamos a próxima escolha errada. Ah, e pode ter certeza: sempre vai haver uma nova escolha errada. A distinção entre passado, presente e futuro é apenas uma ilusão teimosamente persistente – disse uma vez um certo senhor chamado Einstein. Ilusão, teimosia e persistência poderiam muito bem definir a minha história com ela. Continuar lendo “Por que os segundos não são todos iguais”

Nesse verão você não me escapa

Leia ouvindo This Summer

Cê tá é querendo me matar, só pode. Ainda nem começou a esquentar e vem com esses posts de “Vem verão”, legenda com emoji de solzinho, copinho, praia e blá blá blá. Eu aqui abaixo de chuva, na rua, dentro mim, confuso como um trovão clareando a noite de inverno. Afinal, é agora né? Tá chegando a hora de pararmos com os joguinhos psicológicos, os ataques de likes nas fotos mais emblemáticas e as respostas de stories, assim, como quem não quer nada. Esse verão vai ser de maré boa. Para mim e você também. Continuar lendo “Nesse verão você não me escapa”

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑