Vem. Hoje você vem. Vamos conversar de pertinho, achar um meio termo que concilie meus desejos e sua vontade, meu calor com a sua certeza, meu fogo e sua paixão. Vem que tem, sem medo e sem dúvida, porque hoje eu acordei e te quis por perto. Nada vai me bastar senão seus lábios pintados de primavera.

Vem e deixa a chuva cair. E que as gotas batam e nos derretam em centenas de memoráveis cenas que um dia foram apenas nossos desejos inalcançáveis. Que desague tempestade, inunde a cidade, azar de todos os outros. Importa que o tempo lá fora vá mal? Aqui dentro somos apenas eu e você. Rádio e TV, faca e colher, cama e travesseiro; diferentes do mesmo meio, complementos necessários. Preenchimento. Deixa que eu preencho o espaço que te faltar.

Tem veneno no teu perfume, tem veneno dentro de mim. São truques e armadilhas, olhares que falam muito e bocas que dizem muito pouco. Eu gosto do jogo e você de jogar. Que se lancem os dados nesse momento pois se o ‘game’ é de azar, game over para você. Aguardo a tua vinda para deixar de lado minhas estratégias. Descobri o sabor do aleatório e do impensado. Nessas horas a gente não pensa, a gente age.

Vem que te entreguei numa bandeja a chave do meu coração.

 

Paulinho Rahs

Me siga nas redes: Instagram | Facebook | Snapchat: @PaulinhoRahs

Anúncios